Com novo chip, notebook e tablet são guiados por gesto e identificam rosto

Publicado por Dygransoft em

Uma nova família de processadores para notebooks e tablets dará aos aparelhos a capacidade de responder aos gestos dos usuários e de reconhecer o rosto dos donos para dispensar a necessidade de senhas de acesso.

 

A novidade será apresentada em 4 de junho na Computex, uma das maiores feiras de inovação tecnológica do mundo, realizada em Taiwan. Mas a AMD, desenvolvedora dos chips, que abastece os recém-lançados Xbox One e Play Station 4, adiantou ao G1 alguns dos detalhes.

 

“É uma nova era. O computador tem que começar a reconhecer o usuário. Esqueça a sua senha. Com essa tecnologia, é possível fazer um login muito mais seguro”, diz Roberto Brandão, diretor de tecnologia da empresa para América Latina.

 

As novas funcionalidades, que remontam as bugigangas de filmes como “Minority Report” e “Homem de Ferro 3”, funcionam isoladamente em outros aparelhos, como o Kinect, acessório do Xbox que capta movimentos. No entanto, explica Brandão, é a primeira vez que um processador extrapola suas funções e passa a rodar também aplicações próprias de placas gráficas (como games, vídeos e atividades multimídia).

 

Reconhecimento facial
A primeira das novidades é a capacidade de o notebook ou tablet em que os processadores estiverem instalados reconhecer um rosto cadastrado, por meio de uma simples webcam. A partir disso, eliminará a necessidade de inserir senhas para inicializar o sistema operacional e para acessar sites, como o Facebook e lojas virtuais como a da Amazon e da companhia aérea American Airlines.

Gestos podem ser usados para controlar as ações de notebooks e tables, que rodem processadores AMD. (Foto: Divulgação)
De forma simplificada, Brandão explica que a tecnologia funcionará como um cookie, um arquivo de dados armazenado pelo navegador web que armazena informações dos usuários para que, por exemplo, não precise inserir senhas a cada acesso. Só que o passaporte será o próprio rosto. E não adianta tentar burlar o sistema utilizando fotos, que reconhece a diferença (Veja vídeo aqui).

 

“Só não vai funcionar com aquelas mulheres que tiram 50 fotos, toda maquiada, e depois querem ser reconhecidas ao acordar de manhã”, brinca Brandão.

 

Sem controle remoto
A outra novidade é a execução de tarefas por meio de gestos. É possível virar páginas de livros digitais, minimizar janelas em navegadores e controlar tocadores de mídia, por exemplo. A câmera passa a monitoras as mãos do usuário para convertê-los em comandos.
Uma extensão dessa função é a transferência de vídeos que estejam sendo exibidos nos notebooks ou tablets para a televisão, sem precisar conectar fios ou tocar o controle remoto. Apenas com um gesto.

 

Isso ocorre por meio do protocolo DLNA, já empregado em TVs para conectá-las a outros eletrônicos via wireless.

 

As novidades são executadas pelas famílias de processadores Temash, Kabini e Richland. Segundo Brandão, os chips podem melhorar a duração das baterias. “Um notebook com uma bateria que dura seis horas pode ter rendimento elevado para em torno de sete horas, mas com capacidade de executar tarefas de 30% a 50% mais rápido.”

 

“Desempenho bruto é muito importante em aplicações pesadas, como videogame, por exemplo, mas algumas pessoas usam os computadores para enviar e-mail e coisas mais simples. Antigamente, o consumidor perguntava quantos Ghz (Gigahertz) e qual memória o PC tinha. Hoje, ele pergunta qual é a aplicação.”

 

Tablets
As fabricantes HP, Accer e Sony já têm projetos de eletrônicos com os novos processadores, que devem ser apresentados no segundo semestre. Algumas brasileiras também têm o processador nos planos. Segundo a AMD, dois milhões de unidades já foram entregues.

 

Segundo o executivo, o preço dos ultrabooks, notebooks potentes e finos, hoje em torno de R$ 2,5 mil e R$ 3 mil, “poderá cair à metade disso no Brasil”.

 

Para a AMD, o declínio do mercado de PCs não chega a ser um problema. “O objetivo não é barrar o tablet, porque ele complementa a experiência do usuário de notebooks”, afirma Brandão. A empresa abastece os tablets da Microsoft, Toshiba, HP e Accer.

 

Fonte: g1.globo.com


Dygransoft

Fazemos parte do grupo Dygran, fundado em 1986 sediado na cidade de Maringá – PR. Desde 1995 a Dygransoft acumula competência e experiência no desenvolvimento de softwares de gestão de empresas (ERP). Nossas soluções são distribuídas por todo o Brasil através de parceiros que atendem prontamente a necessidade de cada cliente.

Iniciar Conversa
Precisando de Ajuda
Olá!
Podemos de ajudar?